Dia Mundial do Meio Ambiente

Dia 5 de junho comemora-se o Dia Mundial do Meio Ambiente. A cada ano, a Organização das Nações Unidas (ONU) escolhe um tema relacionado às questões mais prementes da atualidade. Em 2018, o mote da campanha é Beat Plastic Pollution (Combater a Poluição Plástica, em tradução livre), que busca alertar para a poluição plástica principalmente nos oceanos.

 

Segundo dados da agência ONU Meio Ambiente, todos os anos, 8 milhões de toneladas de plástico são jogadas nos mares. O descarte incorreto desses materiais tem isso um dos grandes desafios da atualidade, já que são necessários pelo menos 450 anos para que apenas uma garrafa de plástico de decomponha e desapareça do meio ambiente. Segundo a agência, se nada for feito, até 2050 os oceanos terão mais plástico que peixes.

 

(Foto: Marco Care; Greenpeace)

Em todo o mundo, 1 milhão de garrafas de plástico são compradas a cada minuto. Todos os anos são usadas até 500 bilhões de sacolas plásticas descartáveis. Apenas na última década foi produzido mais plástico do que em todo o século passado. Todos os anos, são utilizados 17 milhões de barris de petróleo para produzir garrafas plásticas. No total, metade do plástico que utilizado é de uso único.

 

Levando-se em conta que a taxa média global de reciclagem desses produtos é de 25%, isso significa um volume enorme de lixo plástico descartado nos oceanos. Estima-se que pelo menos 8 milhões de toneladas de lixo plástico vão parar nos mares anualmente, onde sufocam os recifes de corais e ameaçam a fauna marinha vulnerável.

 

De acordo com o diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, já existe a consciência da situação alarmante, mas os impactos de longo prazo desta crise ambiental sobre a saúde ainda são pouco conhecidos.

 

Coleta Seletiva

Vários eventos estão sendo realizados pelo mundo com coleta seletiva dos lixos nas praias e palestras de conscientização sobre a importância de dizer não aos plásticos descartáveis. A ONU também frisou durante a última semana frisou a importância dessa ação incluindo em mensagens pelo próprio secretário-geral, António Guterres, que se o utensílio só pode ser usado uma vez, ele deve ser dispensado.

 

Oceanos Mais Limpos

Dia Mundial do Meio Ambiente

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A ONU News conversou com a coordenadora do Dia Mundial do Meio Ambiente no Brasil – e coordenadora da campanha Mares Limpos –, Fernanda Daltro. De Brasília, ela explicou que o plástico é um dos maiores desafios ambientais da era atual.

 

“O plástico se tornou um material presente em absolutamente todos os lugares do planeta, inclusive nas regiões mais remotas. E esta poluição tem uma relação direta com a sociedade de consumo em que a gente vive hoje. Este volume de lixo se mistura à cadeia alimentar. Todas as espécies nos oceanos acabam tendo contato e se alimentando do plástico de uma forma ou de outra.”

 

Para celebrar o Dia do Meio Ambiente, o Comitê Olímpico Internacional, COI,  anunciou uma parceria com a ONU para combater o plástico descartável. Já em Brasília, o espelho d’água do Museu Nacional amanheceu com uma escultura de dinossauro de lixo alertando sobre os danos do plástico ao planeta.

 

Plástico prejudica também as aves marinhas

Até 2050, 99% das aves marinhas terão ingerido plástico. O lixo prejudica mais de 600 espécies marinhas, 15% delas em extinção. De acordo com a campanha da ONU Mares Limpos (Clean Seas), outro grande vilão dos mares são os microplásticos, partículas que medem menos de 5mm e que estão presentes também em cosméticos e produtos de higiene. Pelo menos 51 trilhões de partículas de microplásticos já estão nos oceanos.

 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, reforçou – em um comunicado – o apelo pelo combate à poluição plástica no Dia Mundial do Meio Ambiente. “Nosso mundo é inundado por resíduos plásticos prejudiciais. Todos os anos, mais de 8 milhões de toneladas acabam nos oceanos. Os microplásticos nos mares agora superam as estrelas da nossa galáxia. De ilhas remotas ao Ártico, nada é intocado. Se as tendências atuais continuarem, até 2050 nossos oceanos terão mais plástico do que peixes”.

 

Com informações da Agência Brasil e Sagres.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *