A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) tem colocado em prática as recomendações da ONU para o Desenvolvimento Sustentável no país, com um projeto de eficiência energética que vem sido implementado em sua sede. Em junho de 2018, o prédio inaugurou sua própria usina solar, e desde então já alcançou uma economia de 33% na fatura de energia do mês de janeiro, se comparada com o mesmo mês do ano passado.

 

Para se ter uma ideia da redução, em janeiro de 2018, a fatura total (consumo no horário de Ponta, Fora de Ponta e Demanda) foi de R$ 255 mil e, em janeiro de 2019, foi de R$ 171 mil. Em 4 meses de operação, a usina já produziu 189 mil kWh. A média anual de geração é de 710 MWh/ano e o objetivo é atender entre 18% e 20% do consumo anual da autarquia.

 

Usina

A usina fotovoltaica conta com 1.760 painéis de 1,65m2, com potência instalada de 510,40 quilowatts-pico (kWp), que foram dispostos de forma a otimizar o aproveitamento do sol e evitar áreas sombreadas das edificações.

 

A área total ocupada pelos módulos e pelos seus acessos é de 3.580 m2. Cada conjunto de 96 módulos foi conectado em um inversor, e todos os inversores são monitorados numa central de operação, com dados unificados.

 

O Projeto

A implantação da usina foi possível graças à elaboração de um contrato que permitiu a inclusão da obra dentro do Projeto de Eficiência Energética (PEE) da Companhia Energética de Brasília (CEB). O contrato adota o seguinte ciclo: a CEB aplica o dinheiro do PEE na usina solar da ANEEL e, à medida que a usina gera energia, a fatura de energia da autarquia diminui. A Agência continuará pagando o restante da fatura até amortizar todo o investimento e quando o dinheiro voltar para a CEB ele será aplicado em outros projetos de eficiência energética, com retorno para todos os consumidores atendidos pela distribuidora.

 

Segundo o diretor-geral da ANEEL, Romeu Rufino, espera-se que a Agência se torne uma referência para outros órgãos públicos. “O setor elétrico passa por várias transformações e o usuário de hoje é muito mais participativo e preocupado com a sustentabilidade. Diante desse cenário, a ANEEL não poderia deixar de dar o exemplo no que diz respeito a boas práticas de redução do desperdício e eficiência energética”, concluiu.

 

Fonte: ANEEL

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *